Desespero dos Perpétuos

[quote]Sonhos. O que são sonhos? Sonhos são nada, irmão. Já tenho meu gancho no coração dele. E o que há para se entender? Ele é mortal. Nada. — Desespero dos Perpétuos[/quote]

Desespero, irmã gêmea de Desejo, é rainha de seu próprio domínio sombrio. Diz-se que, dispersas pelo reino de Desespero, há uma infinidade de pequenas janelas penduradas no vazio.

A cada janela aberta uma cena diferente se revela. Em nosso mundo, a vista é um espelho. Assim, quando você fita seu próprio reflexo e nota os olhos de Desespero sobre si, é fácil senti-la agarrando e apertando seu coração.

Sua pele é fria e pegajosa. Seus olhos são da cor do céu, naqueles dias cinzas e úmidos que desbotam o significado do mundo. Sua voz vai pouco além de um sussurro. E, embora ela não tenha odor, sua sombra é almiscarada e pungente, tal qual a pele de uma cobra.

Muitos anos atrás, um certo dogma religioso que, ainda hoje existe no Afeganistão declarou-a uma deusa, proclamando todos os recintos vazios como seus locais sagrados.

A seita, cujos membros se denominavam “Os Não-Perdoados”, persistiu por dois anos, até que seu último adepto finalmente se suicidou, após ter sobrevivido aos outros membros por quase sete meses.

Em sua primeira vida, Desespero era fisicamente muito parecida, mas sua pele era de uma tonalidade mais saudável, com intrincadas tatuagens avermelhadas. Também era retratada como sendo mais falante, autoritária e extrovertida do que seu aspecto atual.

Desespero diz pouco, mas é paciente.

Conheça melhor os Perpétuos:

SonhoMorteDestinoDestruiçãoDesejoDesesperoDelírio

[hr color=”light-gray” width=”100%” border_width=”1px” ]
[quote]Um indivíduo perturbado pode olhar num espelho e ver Desespero como reflexo.[/quote]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *