Destino dos Perpétuos

[quote]…eu vejo as coisas como são, foram e serão. E ele foi o senhor das coisas que não foram e jamais serão… – Destino dos Perpétuos[/quote]

Destino…

…é o mais velho dos Perpétuos. No princípio havia a Palavra, e ela foi escrita à mão na primeira página de seu livro, antes mesmo de ser pronunciada.

Para os olhos mortais, Destino é, também, o mais alto dos Perpétuos. Um homem cego, vestindo uma túnica cinza amarronzada, carregando seu livro, onde se encontra a descrição de toda a existência do universo: passado, presente e futuro.

Alguns crêem que ele seja cego, enquanto outros, talvez mais sabiamente, alegam que ele tenha viajado além da cegueira e que, na verdade, não possa ver nada, exceto “enxergar” os finos traçados espirais das galáxias no vazio, observando os intricados padrões da vida em sua jornada através do tempo.

Destino cheira a séculos e a pó, um odor que não é desagradável, e, em suas mãos, sempre traz um livro, preso ao seu pulso. Sua voz é como o farfalhar de velhos pergaminhos numa biblioteca, tarde da noite, quando as pessoas foram para casa e os livros começam a ler a si mesmos.

Destino parece ser o mais dedicado às suas funções e responsabilidades de toda a família, raramente demonstrando algum traço de sua personalidade, e ele observa eventos mais do que os causa.

Ele caminha eternamente por seu jardim, onde, sempre no ponto em que ele se encontra, podem ser vistas várias trilhas por onde ele poderá seguir, mas, sempre, apenas uma por onde ele veio.

Ele não deixa pegadas e não projeta sombra.

Conheça melhor os Perpétuos:

SonhoMorteDestinoDestruiçãoDesejoDesesperoDelírio

[hr color=”light-gray” width=”100%” border_width=”1px” ]
[quote]Destinações freqüentemente são uma surpresa ao destinado. — Thessaly[/quote]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *